Como a ave que volta ao ninho antigo, depois de um longo e tenebroso inverno, eu quis também rever o lar paterno, o meu primeiro e virginal abrigo. Entrei. Um génio carinhoso e amigo, o fantasma talvez do amor materno, tomou-me as mãos, olhou-me, grave e terno, e, passo a passo, caminhou comigo. Era esta a sala (Oh, se me lembro, e quanto!) em que da luz noturna à claridade, minhas irmãs e minha mãe... O pranto jorrou-me em ondas... Resistir quem há dê? Uma ilusão gemia em cada canto, chorava em cada canto uma saudade...

luis guimaraes junior

Trend Topics(tags)

adorno agua alien alma amigo amizade amor ano anonimo bom buda cabo casamento cerveja cinema clarice lispector cola democracia deus dinheiro dor dormir drama drogas educacao energia esp espirito esporte felicidade filhos friedrich nietzsche gandhi guerra hebbel homem humanidade ir isabel allende jornalista liberdade lula mae marques marques de marica melhorar mentira mesa morte mulher mulheres mundo nada nunca padre antonio vieira palavras papel pensamento pizza politica politicos professor prov proverbio proverbio alemao proverbio portugues relogio saco seguranca semana sexo shaw sociedade sol teatro trabalhar trabalho verdade vida xuxa