Alma infeliz, de terra pecadora centro, tu, dominada pelas forças da revolta, por que langues por dentro e sofres a penúria, e pintas o exterior tão ricamente alegre? Por que tão grande soma, se o aluguel é breve, despendes numa casa que se finda aos poucos? Herdeiros desse excesso, comerão os vermes tudo quanto possuis? E é esse o fim do corpo? Das perdas desse escravo hás de viver, ó alma, e deixá-lo partir, que assim os bens se acrescem; compra a divina vida, inúteis horas dando, rica não sejas fora, nutre-te por dentro. Nutre-te, pois, da Morte que se nutre de homens, e, uma vez morta a Morte, viverás eterna!

william shakespeare

Trend Topics(tags)

adorno agua alien alma amigo amizade amor ano anonimo bom buda cabo casamento cerveja cinema clarice lispector cola democracia deus dinheiro dor dormir drama drogas educacao energia esp espirito esporte felicidade filhos friedrich nietzsche gandhi guerra hebbel homem humanidade ir isabel allende jornalista liberdade lula mae marques marques de marica melhorar mentira mesa morte mulher mulheres mundo nada nunca padre antonio vieira palavras papel pensamento pizza politica politicos professor prov proverbio proverbio alemao proverbio portugues relogio saco seguranca semana sexo shaw sociedade sol teatro trabalhar trabalho verdade vida xuxa