Hoje sinto no coração um vago tremor de estrelas, mas minha senda se perde na alma de névoa.A luz me quebra as asas e a dor de minha tristeza vai molhando as recordações na fonte da ideia.Todas as rosas são brancas, tão brancas como minha pena, e não são as rosas brancas porque nevou sobre elas.Antes tiveram o íris. Também sobre a alma neva.A neve da alma tem copos de beijos e cenas que se fundiram na sombra ou na luz de quem as pensa.A neve cai das rosas, mas a da alma fica, e a garra dos anos faz um sudário com elas.Desfazer-se-á a neve quando a morte nos levar? Ou depois haverá outra neve e outras rosas mais perfeitas?Haverá paz entre nóscomo Cristo nos ensina? Ou nunca será possível a solução do problema? E se o amor nos engana? Quem a vida nos alenta se o crepúsculo nos funde na verdadeira ciência do Bem que quiçá não exista, e do mal que palpita perto?Se a esperança se apaga e a Babel começa, que tocha iluminará os caminhos da Terra?Se o azul é um sonho, que será da inocência? Que será do coração se o Amor não tem flechas ?Se a morte é a morte, que será dos poetas e das coisas adormecidas que já ninguém delas se recorda?Oh! sol das esperanças! Água clara! Lua nova! Coração dos meninos! Almas rudes das pedras!Hoje sinto no coração um vago tremor de estrelas e todas as coisas são tão brancas como minha pena.

frederico garcia lorca

Trend Topics(tags)

adorno agua alien alma amigo amizade amor ano anonimo aristoteles bom buda cabo casamento cerveja cinema clarice lispector cola democracia deus dinheiro dor dormir drama drogas educacao energia esp espirito esporte felicidade filhos friedrich nietzsche gandhi guerra hebbel homem humanidade ir isabel allende jornalista liberdade lula mae marques marques de marica melhorar mentira mesa morte mulher mulheres mundo nada nunca padre antonio vieira palavras papel pensamento pizza politica politicos professor prov proverbio proverbio alemao proverbio portugues relogio saco seguranca semana shaw sociedade sol teatro trabalhar trabalho verdade vida xuxa