Às vezes na tualma, que adormece tanto e tão fundo, alguma voz escuto de timbre emocional, claro, impoluto que uma voz bem amiga me parece. E fico mudo a ouvi-la, como a prece de um meigo coração que está de luto e livre, já, de todo o mal corrupto, mesmo as afrontas mais cruéis esquece. Mas outras vezes, sempre em vão, procuro dessa voz singular o timbre puro, as essências do céu maravilhosas. Procuro ansioso, inquieto, alvoroçado, mas tudo na tualma está calado, no silêncio fatal das nebulosas.

cruz e sousa

Trend Topics(tags)

adorno agua alien alma amigo amizade amor ano anonimo bom buda cabo casamento cerveja cinema clarice lispector cola democracia deus dinheiro dor dormir drama drogas educacao energia esp espirito esporte felicidade filhos friedrich nietzsche gandhi guerra hebbel homem humanidade ir isabel allende jornalista liberdade lula mae marques marques de marica melhorar mentira mesa morte mulher mulheres mundo nada nunca padre antonio vieira palavras papel pensamento pizza politica politicos professor prov proverbio proverbio alemao proverbio portugues relogio saco seguranca semana sexo shaw sociedade sol teatro trabalhar trabalho verdade vida xuxa