Olavo Bilac: Ama, com fé e orgulho, a terra em que nasceste.

Mais de 200.000 frases, citações e provérbios atualizados diariamente para você.

QuemDisse Facebook
QuemDisse - Twitter
QuemDisse - Instagram
QuemDisse - Tumblr
QuemDisse - Favoritos
bem vindo, sábado, 29 de agosto de 2015.

Esta frase foi vista 2947 vezes. mostre outra frase >>

Ama, com fé e orgulho, a terra em que nasceste.

Seu browser não suporte arquivos SWF, baixe o SWF Player agora!
Get Adobe Flash player


Olavo Bilac: Ama, com fé e orgulho, a terra em que nasceste.   Olavo Bilac - Olavo Bilac


Veja mais frases relacionadas. mostre outra frase >>

OLAVO BILAC"Pinta; mas vê de que maneira pintas... Antes busques as cores da tristeza, poupando o escrínio das alegres tintas; tristeza singular, estranha mágoa de que vejo coberta a natureza, porque a vejo com os olhos rasos dágua... "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC"Quando uma virgem morre, uma estrela aparece, nova, no velho engaste azul do firmamento: e a alma da que morreu, de momento em momento, na luz do que nasceu palpita e resplandece. ó vós que, no silêncio e no recolhimento do campo, conversais a sós, quando anoitece, cuidado! O,que dizeis, como um rumor de prece, vai sussurrar no céu, levado pelo vento... Namorados, que andais com a boca transbordando de beijos, perturbando o campo sossegado e o casto coração das flores inflamando, piedade! Eias vêem tudo entre as moitas escuras... Piedade! esse inípudor ofende o olhar gelado das que viveram sós, das que morreram puras! "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC" A natureza és tu, agora que és mulher, agora que pecaste! "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC" Todas, formosas como tu, chegaram, partiram... e, ao partir, dentro em meu seio todo o veneno da paixão deixaram. Mas, ah, nenhuma teve o teu encanto, nem teve olhar como esse olhar, tão cheio de luz tão viva, que abrasasse tanto! "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC"E é uma ressurreição! O corpo se levanta: nos olhos, já sem luz, a vida exsurge e canta! E esse destroço humano, esse pouco de pó contra a destruição se aferra à vida, e luta, e treme, e cresce, e brilha, e afia o ouvido, e escuta a voz, que na solidão só ele escuta, só. "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC" ó grande, ó bela, ó generosa Terra! O que nós queremos ó tugir de ti: a tua grandeza não nos basta, a tua beleza não nos contenta, a tua generosidade não nos sacia! O que nós queremos é voar, é quebrar estes grilhões, é trocar pela ventura problemática a escassa mas deliciosa felicidade que podemos gozar aqui em baixo. "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC"Saudade: presença dos ausentes. "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC"A suprema consolação da velhice é a única maneira de combater o aniquilamento, é a ressurreição da própria vontade e da própria glória dos filhos. "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC"A vida é um capricho do vento. "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC"Quedaram, frio o sangue, as mulheres chorosas, sem cor, sem voz, de espanto e medo. E, de repente, caíram-lhes das mãos as ânforas piedosas de bálsamo odoroso e de óleo rescendente. Enfeitiçou-se o chão de um perfume dormente, e o arredor trescalou de essências capitosas, como se a terra toda abrisse o seio, e o ambiente se enchesse de jasmins, de nardos e de rosas. E Madalena, muda, ao pé da sepultura, tonta da exalação dos cheiros, em delírio, viu que uma forma, no ar, divinamente bela, vivo eflúvio, vapor fragrante, alva figura, aroma corporal, pairava... Como um lírio, num sorriso, Jesus fulgia diante dela. "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC"Trabalhai, porque a vida é pequena, e não há para o tempo demoras. Não gasteis os minutos sem pena, não façais pouco caso das horas! "
OLAVO BILAC

Olavo Bilac"O medo é o pai da crença."
Olavo Bilac

Olavo Bilac "O medo é o pai da crença. "
Olavo Bilac

OLAVO BILAC" Tu, golpeada e insultada, eu tremerei sepulto, e os meus ossos no chão, como as tuas raízes, se estorcerão de dor, sofrendo o golpe e o insulto! "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC" A mocidade é como a primavera. A alma cheia de flores resplandece, crê no bem, ama a vida, sonha e espera, e a desventura facilmente esquece. "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC" Tens, às vezes, o fogo soberano do amor; encerras na cadência, acesa em requebros e encantos de impureza, todo o feitiço do pecado humano. Mas, sobre essa volúpia, erra a tristeza dos desertos, das matas e do oceano: bárbara poracé, banzo africano, e soluções de trova portuguesa. És samba e jongo, chiba e fado, cujos acordes são desejos e orfandades de selvagens, cativos e marujos, e em nostalgias e paixões consistes, lasciva dor, beijo de três saudades, flor amorosa de três raças tristes. "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC"Nunca entrarei jamais o teu recinto: na sedução e no fulgor que exalas, ficas vedada, num radiante cinto de riquezas, de gozos e de galas. "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC"Pátria, latejo em ti, no teu lenho, por onde circulo! E sou perfume, e sombra, e sol, e orvalho! E, em seiva, ao teu clamor a minha voz responde, e subo do teu cerne ao céu, de galho em galho! "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC"Vivo, choro em teu pranto; e em teus dias felizes, no alto, como uma flor, em ti, pompeio e exulto! "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC"Sofro... Vejo envasado em desespero e lama todo o antigo fulgor, que tive na alma boa; abandona-me a glória; a ambição me atraiçoa; que fazer, para ser como os felizes? Ama! Amei... Mas tive a cruz, os cravos, a coroa de espinhos, e o desdém que humilha, e o do que infama; calcinou-me a irrisão na destruidora chama; padeço! Que fazer, para ser bom? Perdoa! Perdoei... Mas outra vez, sobre o perdão e a prece, tive o opróbrio; e outra vez, sobre a piedade, a injúria; desvairo! Que fazer, para o consolo? Esquece! Mas lembro... Em sangue e fel, o coração me escorre:, ranjo os dentes, remordo os punhos, rujo em fúria... Odeio! Que fazer, para à vingança? Morre! "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC"Delira. Mas, depois do delírio sublime, o remorso, imortal, nasce com o arrebol. E ele mede a extensão do seu monstruoso crime, e esconde a face à luz vingadora do sol. Busca assustado a paz, busca chorando o olvido... À volúpia infernal o coração vendeu, e o inferno lhe reclama o coração vendido, cobrando em sangue e pranto o gozo que lhe deu. Quer rezar, quer voltar ao seu fervor primeiro, quer nas lajes, de rojo, abominando o mal, ser de novo Cristão, Fiel e Cavaleiro, mas não encontra paz na paz da catedral. "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC"O amor, querida, não exclui o pejo... "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC" A Terra, esta boa mãe, tem felizmente, uma inconsciência, que a preserva do desgosto de sentir a nossa ingratidão. Desde o dia em que a bicharada humana, depois de um trabalho longo de fermentação, começou a viver sobre a crosta da Terra, o seu orgu­lho entrou a desprezar Aquela que lhe deu a vida. Nós colhemos os frutos que ela nos dá, gozamos a sua beleza perpetuamente reno­vada, vamos fruindo os prazeres que nos vêm da sua inesgotável generosidade mas sempre com um modo desagradecido, sempre com uma careta de fastio, sempre com um dar de ombros de des­prezo. O nosso estômago, os nossos nervos, os nossos sentidos estão com ela, mas a nossa imaginação está fora dela, sonhando vidas que nos parecem mais agradáveis talvez pelo único motivo de serem inacessíveis. "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC" Amo-te, ó tarde triste, ó tarde augusta, que, entre os primeiros clarões das estrelas, no ventre, sob os véus do mistério e da sombra orvalhada, trazes a palpitar, como um fruto do outono, a noite, alma nutriz da volúpia e do sono, perpetuação da vida e iniciação do nada... "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC" Este, que um deus cruel arremessou à vida, marcando-o com o sinal da sua maldição, este desabrochou como a erva má, nascida apenas para aos pés ser calcada no chão. De motejo em motejo arrasta a alma ferida... Sem constância no amor, dentro do coração sente, crespa, crescer a selva retorcida dos pensamentos maus, filhos da solidão... Longos dias sem sol! Noites de eterno luto! Alma cega, perdida à toa no caminho, roto casco de nau, desprezado no mar! E, árvore, acabará sem nunca dar um fruto; e, homem, há de morrer como viveu: sozinho, sem ar, sem luz, sem Deus, sem fé, sem pão, sem lar! "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC" Já que te é grato o sofrimento alheio, vai! Não fique em minhalma nem um traço, nem um vestígio teu! Por todo o espaço se estenda o luto carregado e feio. Turvem-se os largos céus... No leito escasso dos rios a água seque... E eu tenha o seio como um deserto pavoroso, cheio de horrores, sem sinal de humano passo... Vão-se as aves e as flores juntamente contigo... Torre o sol a verde alfombra, a areia envolva a solidão inteira... E só fique em meu peito o Saara ardente sem um oásis, sem a esquiva sombra de uma isolada e trémula palmeira! "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC" Nesse louco vagar, nessa marcha perdida, tu foste, como o sol, uma fonte de vida: cada passada tua era um caminho aberto, cada pouso mudado uma nova conquista! E enquanto ias sonhando o teu sonho egoísta, teu pé como o de um deus, fecundava o deserto! "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC" Sobre minhalma, como sobre um trono, senhor brutal, pesa o aborrecimento. Como tardas em vir, último outono, lançar-me as folhas últimas ao vento. Oh, dormir no silêncio e no abandono, só, sem um sonho, sem um pensamento! E no letargo do aniquilamento ter, ó pedra, a quietude do teu sono! Oh, deixar de sonhar o que não vejo! Ter o sangue gelado e a carne fria! E, de uma luz crepuscular velada, deixar a alma dormir sem um desejo, ampla, fúnebre, lúgubre, vazia como uma catedral abandonada!... "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC" Surdo, na universal indiferença, um dia, Beethoven, levantando um desvairado apelo, sentiu a terra e o mar num mudo pesadelo... E o seu mundo interior cantava e restrugia. Torvo o gesto, perdido o olhar, hirto o cabelo, viu, sobre a orquestração que no seu crânio havia, os astros em torpor na imensidade fria, o ar e os ventos sem voz, a natureza em gelo. Era o nada, a eversão do caos no cataclismo, a síncope do som no páramo profundo, o silêncio, a algidez, o vácuo, o horror no abismo... E Beethoven, no seu supremo desconforto, velho e pobre, caiu, como um deus moribundo, lançando a maldição sobre o universo morto! "
OLAVO BILAC

OLAVO BILAC"Plangei, sinos! A terra ao nosso amor não basta.. Cansados de ânsias vis e de ambições ferozes, ardemos numa louca aspiração mais casta, para transmigrações, para metempsicoses! Cantai, sinos! Daqui por onde o horror se arrasta, campas de rebeliões, bronzes de apoteoses, badalai, bimbalhai, tocai à esfera vasta, levai os nossos ais rolando em vossas vozes! Em repiques de febre, em dobres a finados, em rebates de angústia, ó carrilhões, dos cimos tangei! Torres da fé, vibrai os nossos brados! Dizei, sinos da terra, em clamores supremos, toda a nossa tortura aos astros de onde vimos, toda a nossa esperança aos astros aonde iremos... "
OLAVO BILAC






TEMAS DE FRASES - Veja as melhores frases separadas pelos temas mais buscados




Seu browser não suporte arquivos SWF, baixe o SWF Player agora!
Get Adobe Flash player


provérbio Proverbio Portugues prov homem vida ano mulher amor deus verdade mARQUES DE MARICA nunca esp Anonimo MORTE bom Mulheres dinheiro alma trabalho amigo Drogas sol Mentira felicidade Agua casamento Lula liberdade Papel palavras guerra sexo energia pensamento filhos mãe Teatro cerveja amizade Sociedade friedrich nietzsche cola nada clarice lispector dormir trabalhar humanidade relogio Democracia gandhi saco pizza cabo marquês shaw professor cinema Provérbio alemão espírito semana JORNALISTA Buda mesa xuxa segurança esporte alien Hebbel drama Melhorar política educação Adorno Padre António Vieira jasmin st claire dor Isabel Allende políticos Aristóteles
GeraLinks
INSTITUCIONAL

- Quem Somos

- Nosso Livro

AUTORES

- Ver Autores

Site Quem Disse 2015 © Todos os direitos reservados.

Hoper Fesskobbi Tcexp Agência Bernadino